Advertisement
Advertisement
Advertisement
Advertisement
Advertisement

Repost from @doutorivantogni @toprankrepost #toprankrepost Boa tarde pessoal. Hoje vou tentar explicar de uma maneira mais simples sobre um assunto que muitos de vocês já ouviram, mas não sabem exatamente o que é ou como funciona. Hoje em dia, médicos e nutricionistas citam muito o ‘Índice Glicêmico (IG)’ dos alimentos. A importância que devemos dar a ele na hora de escolher o que vamos comer. Mas afinal, você sabe o motivo desta indicação? Então vamos lá ao primeiro passo: este número do IG corresponde a velocidade com que um alimento que contém carboidratos libera glicose (ou seja, açúcar) no sangue. O IG dos alimentos é classificado como baixo, moderado ou alto, seguindo uma escala que vai até 150, mais ou menos. Aqueles que têm os números mais elevados são os que se transformam em açúcar mais rapidamente e, consequentemente, acabam sendo estocados na forma de gordura. Já os carboidratos de baixo IG fazem o oposto: promovem digestão lenta e liberam o açúcar no sangue aos poucos, o que garante saciedade por um período prolongado, dando mais tempo para gastar a energia ingerida e reduzindo o risco de estocá-la como gordura. Por isso, devem estar mais presentes no nosso cardápio. Entre eles, podemos destacar: legumes, soja e alimentos feitos com farinha de trigo integral e aveia. É importante saber que esses números são estimados e podem variar de acordo com uma série de fatores como: modo de preparo (cru, cozido, assado ou frito), a forma como é consumido (fruta ou suco, por exemplo), a forma como é combinado com outros alimentos e até mesmo pelo horário em que é consumido. Para saber como adequá-los a sua dieta, tenha sempre a orientação de um profissional, ok? QUER EMAGRECER COM RECEITAS DELICIOSAS FIT E LOW CARB? CLIQUE AGORA NO LINK AZUL QUE ESTÁ NO MEU PERFIL @natyvidafit